08/03/2018

Quero ser vintage (Lindsey Leavitt)

 
    QUERO SER VINTAGE

Esse livro foi o primeiro livro que li no ano (2018) e deu a largada a minhas leituras desse ano. Fazia tempos, talvez anos que tinha ele guardado e nunca tinha um momento pra ele, mas então no começo do ano decidi que era hora dele. E posso adiantar pra vocês que foi uma das melhores escolhas.

Mallory me lembrou muito a mim mesma alguns anos atrás quando depois de uma decepção amorosa, decidi abrir mão de muita coisa e dar um tempo pra mim mesma. Nessa época também foi uma época de muitas decisões importantes, como a mudança de vida e a desistência de um curso na faculdade que não fazia por amor. Aquele ano foi meio ''vintage'', posso dizer isso agora! Eu também me afastei das redes sociais pois me machucava ver coisas dessa ex pessoa que tanto me fez mal. Só que diferente de Mallory, eu meio que me fechei por um tempo, o que me levou a ficar depressiva, até eu realmente encontrar algo que pudesse focar minha vida e me animar novamente, algo que eu realmente gostava. 

Se bem que para Mallory a vida vintage surge também depois de uma traição, mas logo ela encontra a lista da avó que se torna um objetivo que ajuda a conseguir realizar todas as coisas dela e nesse processo ela se recupera bem rápido, pois por causa dos objetivos da lista, ela pode conhecer verdadeiramente pessoas incríveis que ajudaram a realizar isso mesmo que não soubessem dos verdadeiros motivos. 

Eu bem que queria ter uma lista naquela época, pensando bem agora. Quando voltei a morar na casa dos meus pais em decorrência da desistência da faculdade eu acabei ficando em depressão pois não tinha outro objetivo na vida, até tinha, mas não via como podia conseguir naquele momento. Eu realmente precisei de ajuda, até poder encontrar pessoas, amigos que conheci depois que naquele ano foram essenciais pra minha volta ao mundo real. 

O grupo de jovens da igreja, o trabalho que me arrumaram temporariamente na secretária da igreja, o novo crush, as aulas de violão.. Acho que tudo isso, sem querer, foi a minha lista. Até eu conseguir tempo suficiente pra ficar melhor e tentar a prova no curso que queria de verdade. 2 anos depois, estou aqui, no 5º período, muitas lutas de lá pra cá, pessoas maravilhosas tenho conhecido, e outras infelizmente não posso ter por perto, mas sem querer querendo, novamente tenho minha lista de objetivos na vida e meus amigos e família sem querer também são parte disso. 

Acho que todo mundo na vida, assim como eu e a Mallory, depois de uma grande decepção, e fases de mudanças na vida, deveriam ter sua lista. Deveriam traçar suas metas e lutar por seus objetivos, focar em si e deixar de sofrer ou se importar demais com quem não merece. Enfim, esse livro foi especial, porque apesar de uma história leve e pequena, Mallory mostrou de forma humorada como ela superou coisas que para muitos parecem não ser possível. E também me fez relembrar como foi comigo quando passei por algo parecido.

 E, claro que se fosse hoje e eu soubesse de tudo que sei depois que passou a situação, e eu pudesse escolher, com certeza escolheria encarar as coisas de uma maneira mais leve e divertida, faria minha listinha e lutaria por ela. Deixaria a deprê bem longe. Mas é assim mesmo, tudo isso faz parte. É assim, depois de cada situação, um aprendizado. Tudo isso te faz alguém melhor e te torna mais forte, capaz de driblar outra situação que possa surgir em outro momento da vida. 

25/01/2018

A Gatinha da minha janela (A kitten on my window)

A Gatinha da minha Janela (Matilda)

Outro dia, ela apareceu em casa, num condomínio na verdade. Ela não era minha, mas talvez por nota-la sozinha, resolvi ajudar. Alimentar, dar algo, ou um pouco de amor que todo ser no mundo merece ter na vida. Mesmo animais, que aos olhos de alguns, parecem não ter tanto valor quanto um ser humano. Mas te digo com toda certeza do mundo, eles têm. Têm sim! Não seria em vão Deus os ter criado antes mesmo do homem.. E se eles não tivessem valor, porque estariam aqui?

A gatinha da minha janela, ganhou um pouco de comida, é mais do que tudo, um pouco de amor. Ela podia ser de alguém, ou de ninguém, mas daquele dia em diante ela ter um pouco de mim, e eu um pouco dela. A gatinha na minha janela ganhou um nome “Matilda” “Esmeralda” (veio depois, por causa dos olhinhos cor de pedra preciosa). E a partir daquele dia ela tem voltado sempre. Seja pra receber um pouco de comida ou de carinho. Ela entrar sem cerimônia. É tão dócil que chego a duvidar que não tenha tido dono. Ela vem todos os dias a noite, e logo no dia seguinte vai embora. As vezes aparece vez ou outra de dia, mas as noites são sagradas.

A gatinha da minha janela tem incomodado muita gente nesse lugar, esse Rio de pessoas vazias de amor ao próximo ou a um ser de Deus que quer apenas um espacinho pra viver, carinho ou algo pra comer. Foi por causa dela que me envolvi em uma confusão com as pessoas desse lugar e até mesmo os donos (pois moro de aluguel). No dia que todos estavam reunidos querendo jogá-la na rua, eu cheguei na hora e logo percebi a conversa, era direcionada pra me atingir. Então eu não me calei e falei mais do que deveria. Até sobre outras coisas que haviam acontecido antes, como a morte de outros animais de estimação de outras pessoas e uma muito especial pra mim (A minha Shandya).

Sem querer, ou querendo eles mexeram na minha ferida já quase cicatrizada, mas nunca esquecida, como dizem. E eu acabei acusando e falando coisas que não devia, talvez até culpar alguém que não tinha culpa. Mas sei que foi alguém de lá sim, algumas daquelas pessoas que estavam lá na hora da briga, talvez. Por causa dela, ou por causa de mim, acabei saindo chorando. Mas não desisti. Nos dias que se seguiram tinha um clima pesado, eu pensei seriamente em mudar dali (ainda penso), mas resolvi aquietar novamente visto que algumas pessoas foram legais ao pedir desculpas e outras mudaram. Então o resumo de tudo é que a Matilda continua na sua jornada de ida e vinda, aparece mais frenquentemente, e vai quando quer. Quanto passo uns dias fora, logo que chego ela conhece e vem toda feliz por ter voltado.

Eu não sei se ela é minha, mas gosto quando ela me reconhece como dona. Quando fica uns dias praticamente sem sair de lá de perto de mim, enquanto ela puder ficar e eu tiver lá, vou acolhê-la. E já pensei em leva-la comigo, talvez eu faça isso caso eu mude de lá. Mas tenho medo que ela fuja por não conhecer o novo lugar e não volte (gatos são assim, ninguém os prende a um lugar se ele não quer ficar!) Talvez nisso eu seja um pouco parecida, embora dessa vez esteja sempre ficando e ficando em um lugar que já rendeu tanta confusão. Talvez eu precise olhar pra esse detalhe da minha pequena amiguinha que acabei esquecendo aqui dentro de mim. Eu sei que na hora certa tudo vai se ajeitar, e que a linda gatinha da minha janela acabe decidindo ficar.

21/01/2018

A Bailarina (2017)

O FILME MAIS INSPIRADOR QUE ASSISTI NESSAS FÉRIAS

Como sempre eu estou atrasada, sendo que a esse filme teve estréia em Janeiro de 2017, e eu aqui encantada por finalmente ter tido tempo nessas férias pra atualizar minha listinha de filmes, já que a tempos também não tenho ido ao cinema (A última vez foi em "A Bela e A Fera" mas okay!)

Gente, sou uma adolescente-quase-adulta mas que meus gostos sempre acabam me levando pra filmes assim de animação. Não sei, sou fissurada em filmes da disney também, mas acho que não é exatamente disso que quero falar sobre ter amado tanto esse filme. Eu desconfio que o que mais me encanta nesses filmes é a mágia, os sentimentos, é como se sonhos fossem possíveis (Eles sempre são, mas tem gente que não acredita), como se ganhassem vida, entendem?

Em "A Bailarina" (Ballerina) a personagem Félicie é uma doce menininha órfã sonhadora e determinada que vai atrás de realizar seus sonhos. Junto com seu amigo do orfanato, Victor, partem para essa aventura. Gente é lindo! Eles se separam e de uma forma que acontece nos filmes, cada um encontra seu apoio, uma moça meio que adota Félicie, em troca de ela ajuda-la com serviços domésticos, e numa casa de uma senhora muito maldosa  que trata nossa menininha como uma verdadeira cinderela. Essa senhora tem uma filha da mesma idade que Félicie que é bailarina e faz questão de zombar e jogar na cara da coitada da Félicie que ela nunca será nada.

Sempre tem dessas né mesmo? Mas se voce pensa que nossa garotinha determinada vai desistir tão fácil e sair chorando até que a fada amadrinha venha ajeitar as coisas pra ela como a cinderela, está enganada (apesar de eu amar a cinderela, é interessante perceber a diferença aqui). Então Félicie dá um jeitinho de conseguir entra pra a mais importante companhia de Balé de París (pense!), A Grand Opera, que essa vaga supostamente seria reservada a filha da senhora do mal lá do casarão, mas como como percebem, para conseguir chegar perto do sonho, nossa menininha estava mais que disposta, até mesmo medir forças com o inimigo (as inimigas que a humilhavam no caso).

A mensagem que ficou pra mim, é a seguinte: lute, lute bravamente por seus sonhos e por aquilo que acredita, e não deixe que ninguém te faça pensar que é menos, que não vale nada. Porque, sim, você vale! E não deixe nunca que humilhações dessas pessoas te impeçam de tentar chegar lá. No meio do caminho sempre vão haver obstáculos e pessoas pra te puxarem pra baixo. Mas você, assim como Félicie vai encontrar pessoas de coração que vão fazer tudo pra que você consiga. Essas pessoas sempre estarão ao seu lado! Valorize-as e trate de não perde-las nunca. 

"Coragem é ir atrás dos seus sonhos" 💭

19/01/2018

A Seleção (Kiera Cass)

A SELEÇÃO #1

America me lembrou em parte duas princesas que muito gosto de filmes da Disney. A Primeira é a Valente (Merida) pelo cabelo e algumas características próprias da personalidade rebelde que não acha que nasceu pra pertencer a uma monarquia, ser princesa. Outra que apesar de ser não ser em si uma das princesas da disney, levando em conta que o filme é da disney também é a Mia Termopholis. Ela não tem as caracteristicas físicas da America e da Merida, mas ainda assim a resistência no assunto ser princesa, e até a rebeldia do início. 

Desde o começo quando ouvi falar do livro, da série A Seleção eu ficava meio na dúvida se deveria ler, apesar de se tratar de um livro sobre coroas, princesas e príncipes e realeza (que eu sempre amei mesmo por causa da disney e por ser fã da série de Os Diários da Princesa de Meg Cabot), mas eu realmente fico na defensiva quando começam a falar muito de algum livro, que logo se torna moda, sabe?! Então resolvi não focar em ler logo a série e deixei passar, mas sempre com aquela curiosidade no íntimo. Eu dizia pras minha amigas "Ah sei lá, não sou muito fã de livros que são series, porque tenho medo de viciar e não conseguir largar" Daí um ano depois já estava considerando ser o primeiro livro só pela curiosidade e aqui estou. Dormi 3 dias seguidos mais de 3 da manhã só pra terminar ele logo, e me forçava a parar porque queria ler mais.

- Você chamou todas de “minha querida”? - Perguntei, voltando o rosto para o resto do salão. - Sim, e todas parecem ter gostado.  - É exatamente por isso que eu não gostei. 

Gente, eu amei esse primeiro livro de paixão. Não deu outra, quando terminei, queria logo A Elite, e A Escolha pra saber logo com quem America ia ficar, quem Maxon (Aí ai suspiros) escolheria enfim. Fiquei logo torcendo por Maxon, claro. Muito mais por causa da mágoa que Aspen causou na America, sabe? Não acho legal essa história, mesmo na vida real, de ex que pisa em seu coração por motivos bobos, te faz sofrer e depois quando você segue a diante, o dito cujo aparece do inferno pra atrapalhar sua tentativa de ser feliz e acertar pelo menos uma vez na vida com alguém legal. 

"Espero que encontre uma pessoa sem a qual não possa viver. Espero muito. E desejo que nunca precise saber como é tentar viver sem ela"

E não falo isso pela ilusão de Maxon ser rico e príncipe, mas pela pessoa simples e verdadeira que ele provou ser. Amigo acima de qualquer coisa, quando ela nem podia prometer a ele a certeza dos sentimentos dela. E mesmo tendo contado tudo a ele sobre o que passou, ele lhe ofereceu seu ombro amigo e esperou. 

Não posso acrescentar muita coisa por questão de não dar mais spoilers a quem ainda vai ler. Mas já tratei de providenciar o próximo pra terminar pelo menos esses três principais ainda esse ano. Espero que seja maravilhoso como a impressão que tive desse primeiro. 🖤

Inspiraflor | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 | POR:
NOS VISITEVIRANDO AMOR