26/09/2015

Resenha: Um Gato de Rua Chamado Bob


A história de James e Bob é mais do que uma história de amizade entre um homem e um gato! Quando eu ouvi falar do livro, confesso, de cara eu já coloquei ele na minha Wishlist porque, claro, devido a paixão que tenho por gatinhos (tenho dois em casa, um casalzinho, se pudesse teria mais, só que o povo de casa protesta). Fiquei totalmente curiosa pra saber como aconteceu isso. "Como James encontrou Bob?" "Como ele arrumou foças pra cuidar dele, devido á luta diária que tinha  que lidar pra se ver livre das drogas?" Ele estava em processo de recuperação, oque ás vezes acaba sendo muito difícil, por causa da dependência e do risco de ter recaídas. Não é coisa muito fácil, e ler esse livro fez ver as coisas pelo lado de lá, pelo lado de quem passa por situação como essa. 

UM PASSADO DIFÍCIL PROS DOIS

Geralmente, o que a maioria das pessoas faz/fala/pensa quando se depara com algum morador de rua, é o seguinte: "É um vagabundo" "Se arrumasse um emprego não estaria nessa.." E por ai vai.. Só que o que essas mesmas pessoas que falam tais coisas não param pra pensar, é como seria se estivessem no lugar de um morador de rua, ou pior ainda, se fosse uma pessoa amada que estivesse em tal situação? Porque, o que penso é, essas pessoas têm uma família, tiveram pessoas que se importavam, que  as amavam, elas têm sua história! Também são ser humanos, gente como a gente. Com a simples diferença de que uma história mal resolvida em passado difícil na família acabaram por fazer-lhes pessoas fracas a ponto de se entregar a um vicio. Talvez como forma de tentar esquecer  de uma dor. 

Quando Bob apareceu em frente ao apartamento de James (Sim, James tinha um teto! Depois de muito tempo sofrido nas ruas, literalmente dormindo ao relento, ele conseguiu um programa do governo que ao mesmo tempo que trata esse dependentes químicos, também lhes oferecem moradia pra que possam pouco a pouco recomeçar suas vidas), Bob também estava  maltratado, ferido, faminto. Ele precisava de um amigo e de um teto, assim como o próprio James um dia se virá na mesma situação.

 James conta que  sempre gostou de gatos, pois em casa, quando ainda vivia com a mãe, eles haviam adotado um filhote que morreu logo, mesmo assim sempre fora admirador de felinos. Isso facilitou para a confiança de Bob nele, e claro, seu coração ter se aberto a esse nome amigo e companheiro de jornada. 

Depois dos cuidados necessários, Bob recuperou a saúde e James acreditara que seu companheirinho iria voltar pras ruas, mas não era essa a ideia de Bob! Ás vezes James se perguntava se Bob havia sido de alguém, mas depois quando via seus hábitos, comuns em gatos não domesticados, acabou por se convencer de que Bob não pertencia a nenhum lar. Mas resolveu pertencer, quando encontrou, junto  de James. 
"Os gatos são notoriamente exigentes a respeito de quem eles gostam. Se um gato não gosta do dono, ele sai e encontra outro, Gatos fazem isso o tempo todo. Eles vão embora e passam a viver com outra família. Ver-me com meu gato suavizou-me aos olhos das pessoas. Ele me humanizou. Especialmente depois de eu ter sido tão desumanisado. De certa forma, ele estava devolvendo minha identidade. Eu tinha sido uma não pessoa; e estava me tornando uma pessoa novamente''  
(Páginas 84, Um Gato de rua Chamado Bob, James Bowen)

Essa parte do livro foi a que mais me chamou atenção. Quando a gente percebe com o olhar de James, o quanto o olhar das pessoas sobre ele mudou, quando Bob entrou na sua vida. E não teve como dizer não. Logo Bob seguia James pelas ruas enquanto ele saia com sua guitarra velha pra tomar um ônibus rumo ao centro das ruas mais movimentadas de Londres. 

As pessoas começaram a parar James pra perguntar sobre Bob e ás vezes até queriam tirar fotos. As pessoas também davam mais gorjetas e passaram a notar James. James dizia que elas passavam e ao ver Bob seguiam com um sorriso estampado no rosto. E isso já era gratificante pra ele, que há tempos se via como alguém invisível (tem uma parte que ele diz que era como usar uma capa de invisibilidade como aquela de Harry Potter).  James era um ser estranho com quem ninguém trocava duas palavras gentis, mas com Bob  a seu lado isso começou a mudar. 

CONHECER UMA LONDRES DIFERENTE DA DOS MEUS SONHOS 

É muito diferente do que sonhamos conhecer: geralmente imaginamos logo o Big Ben, os ônibus vermelhos de dois andares e as famosas Cabines Telefônicas vermelhinhas. Some isso com uma boa dose de frio e chuva, e poucos dias ensolarados.. Aí sim voce terá conhecido realmente! O lado da Londres de James era uma Londres nublada e chuvosa. Pessoas com suas capas pretas e seus guarda-chuvas enormes que passam num corre corre frenético, enfrentando frio e chuva de estação em estação de metrô, seguindo sem muito tempo pra olhar pra algum desconhecido na rua. 

Eu conheci a Londres de James pela leitura desse livro, e é diferente, com certeza, um lugar pra conhecer, sim, estudar, talvez, só por algum tempo! Mas creio que não para viver, sabe como é?! Imagina passar tantos dias sem poder ver o sol, com tanto frio e chuva? Isso me fez pensar no quanto as pessoas de lá que vêm ao Brasil, ficam maravilhadas com tantos dias ensolarados. Engraçado como a visão de quem está do outro lado é diferente.. Aqui cabe o velho e bom ditado "A grama do vizinho é sempre mais verde" não é mesmo? 

PORQUE EU INDICO ESSE LIVRO

É um bom livro, e uma história daquelas que te dá vontade de comemorar junto com cada passo rumo á vitória que os dois dão juntos. É uma história pra te fazer ver o mundo com um olhar diferente, com o olhar de quem está do lado de lá, onde poucos gostariam de estar, nem ao menos tentar se colocar no lugar (compaixão, né?) Sobretudo, se voce for tão apaixonado por seu pet como eu sou com os meus, depois desse livro voce vai querer olhar dentro dos olhos deles, e dizer de todo o seu coração: "OBRIGADA POR FAZER PARTE DA MINHA VIDA" "VOCE FAZ, SIM, TODA DIFERENÇA.." E depois vai querer dar uma abraço tao apertado neles, daqueles que eles vão sair  reclamando, hahahhahahahha 

 JAMES E BOB  (gravado quando James fazia apresentações nas ruas)

2 comentários:

  1. Que história mais fofa ^^

    Eu penso como você.Ninguém vai parar debaixo da ponte porque quer, muitas vezes a pessoa é fraca demais e se entraga aos vícios e o pior: não tem alguém para lhe dar forças suficientes.
    Fiquei encantada com essa história, vou procurar ler, certeza que irei gostar <3

    Beijos

    Poesia em Transe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ownt, Amadinha, que MARAVILHA! <3 Tenho toda certeza que se voce pensa como eu, pelo menos um pouco parecido, irá entender bem o que James e Bob passaram. E vai se tornar amiga deles tbm <3 ahahhahaha

      Excluir

Inspiraflor | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 | POR:
NOS VISITEVIRANDO AMOR