03/09/2016

A LINGUAGEM DAS FLORES (RESENHA)

    A LINGUAGEM DAS FLORES

Eu estava devendo esta resenha há séculos, não só aqui pro blog, mas para mim mesma, acho. O fato é que já faz quase 1 ano que li o livro, mas a história ficou tão marcada em mim, que consigo lembrar muitas coisas, principalmente o que mais me tocou nele, e foi por isso que eu quis vir compartilhar aqui com voces.. 

Um livro sobre maternidade (um livro sobre o maior amor do mundo)

Já dá pra imaginar pela capa que como tem uma história com flores.. (o melhor detalhe que poderia ter pra pessoinha aqui que vos fala/escreve). A Vitória, nossa personagem principal, acaba sendo florista por algumas circunstâncias da vida,  então voce vai meio que se surpreender da paixão que surge de uma pessoa tão arredia (talvez a palavras certa seria revoltada da vida) ter um dom tão especial assim..

Quando eu falo do temperamento difícil da Vitória, não quero dizer que uma pessoa de temperamento difícil não poderia lidar com coisas tão delicadas, mas que é um tanto surpreendente..  por ela não ser lá essas coisas de romântica, nem sonhar em casar, o negócio com as flores é o que acaba levando ela, mesmo sem querer, a tomar de conta de umas das partes mais importantes de um casamento, e a fonte do maior sentimentalismo entre as pessoas: AS FLORES. 

O livro faz com que voce se dê conta o quanto é importante voce ter a figura de uma mãe na vida. A Vitória cresceu num orfanato, sempre sendo adotada e devolvida por conta da rebeldia.. Até encontrar o amor maior do mundo (o de mãe) quando é adotada por Elizabeth.. E isso fez com que ela se apaixonasse pelas flores, pela mensagem que cada uma delas trás, porque de certa forma aquela paixão de Elizabeth pelas flores é passada pra Vitória.. Voce, pensa "Poxa, quantas vezes na vida, voce admirou algo em sua mãe, e isso te fez crescer com aquele pedacinho que era dela, mas que agora também é seu?" Só que, o desenrolar da história desse amor, entre mãe e filha, voce não deve esperar que tudo tenha sido 'flores' na vida dessas duas..

Crescer distante (as voltas que a vida dá)

Realmente a Vitória não cresceu ao lodo da mãe adotiva! (Elizabeth) Depois de anos distante, tendo chegado a maior idade, ela não poderia mais viver em um orfanato e então tem que se virar sozinha no mundo.. É  aí que voce começa a acompanhar sua trajetória e tenta, junto com ela, rever todas as coisas que ficaram na sombra do passado.. Por qual motivo a V. afastara, até então, assim, todas as pessoas que verdadeiramente a amaram?

Voce também vai se emocionar, sim! Porque como um bom romance, o livo não trata apenas desse amor-difícil entre mãe e filha, mas  de um amor entre homem e mulher, que há muito tempo já havia sido determinado.. (Sabe quando voce se vê num presente, em que, te surpreende o fato de que uma pessoa que há tanto tempo fizera parte de sua vida, e que de repente, por algum motivo, em meio ás voltas que a vida dá, esse alguém está de volta á sua vida?) 

Uma coisa que me tocou muito, foi o fato da gravidez da V. Foi o primeiro livro que li na vida que descreve com tanta intensidade os sentimentos de se estar gerando uma vida dentro de si.. Também pela falta que a mãe adotiva (Elizabeth) fez pra ela naquele momento da vida. 

Mother-daughter photos by Hello Pinecone | 100 Layer Cakelet
Mother-daughter photos by Hello Pinecone | 100 Layer Cakelet
"Segurando nos braços minha filha recém-nascida, senti como se tudo no mundo que até então estivera fora do meu alcance agora fosse possível" (Pág. 206)

Durante muito tempo, eu não sabia muito bem porque nunca tinha conseguido escrever sobre esse livro, mas agora parece estar bem claro.. A vida fez com que durante muito tempo meu relacionamento com minha mãe também fosse arredio, talvez eu carregasse muitas mágoas de coisas que não era capaz de explicar, mas que depois de muito choro e cartas (tratamento por ter ficado um tempo com depressão) essas coisas que eu carregava sozinha foram passadas para que ela soubesse como me sentia a maior parte da vida. Longe de ser como Vitória e Elizabeth, mas que se certa forma, tínhamos nossos conflitos e diferenças, a gente consegui (mesmo em meio a muito drama e choro) expressar aquilo que parecia ser impossível.. E isso, eu garanto, fez com que minha vida ficasse mais leve, e me sentir mais próxima e digna do amor da minha própria mãe, me fez ver a vida de um jeito que eu nunca imaginei que veria.. 

E, é por isso, que eu, aqui hoje em meio a incerteza de que essas palavras conseguem expressar pelo menos um pouquinho do que esse livro representou na minha vida, eu compartilho com voces um pouco de mim também! Espero DE TODO O MEU CORAÇÃO que voces leiam, que se identifiquem e que amam essa leitura. (Se já leram, se esse livro te trouxe algo a acrescentar na sua vida, conta pra mim aí nos comentários, tá?! Promete?) 💛

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Inspiraflor | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 | POR:
NOS VISITEVIRANDO AMOR