17/01/2018

A última carta de amor (Jojo Moyes)

A ÚLTIMA CARTA DE AMOR

Eu realmente estava bem curiosa pra ler outros livros da Jojo depois de ter me apaixonado e sofrido bastante em Como Eu era Antes de Voce, (Low e Will, difícil de superar), então resolvi começar por A Última Carta de Amor, que foi o primeiro livro dela, embora o sucesso esteja em torno de Como Eu era Antes de Você. 

"Ela descobrira que as memórias podiam de fato alojar-se em outros lugares que não a mente."

Sabe o que eu gostei nesse livro, a ambientação em uma Londres de décadas atrás (1960) quando o livro começa após o acidente de Jennifer e a volta pra casa sem que ela se lembre muitas coisas da vida dela. Com um marido que ela não conseguia sentir que o amava agora ou que já o tivesse amado. Então é interessante a idéia de Jojo ao ir nos revelando aos poucos os detalhes da vida que Jennifer tinha, seu verdadeiro amor que obviamente não era seu marido. E como tudo aconteceu. Ela vai nos revelando isso, conforme a própria Jen também vai redescobrindo memórias perdidas e através de cartas que ela encontrava escondidas.

Embora tenha achado diferente o fato de a narração ter sido eita dessa forma, também confesso que fiquei confusa em alguns momentos, pois os capítulos vão intercalando entre presente (o momento em que Jennifer está) e passado, que são capítulos á parte, de quando ela conheceu B. (o amor dela) e da vida antiga dela, antes do acidente. Assim eu percebi que a leitura em partes se tornou muito prolongada, pelo menos pra mim, e cansativa pois queria chegar a parte que queria saber o que de fato tinha acontecido pra que o acidente acontecesse. E também se haveria um reencontro dos dois. E o livro também é dividido em 3 partes. O que prolonga ainda mais a parte em que iremos saber se realmente eles teriam esse reencontro após tantos anos e tantos mal entendidos.  

"Se eu me permitisse amar você, isso me consumiria. Só existiria você. Eu viveria com medo de que você pudesse mudar de ideia. E, se isso acontecesse, eu morreria"

Então Jen, como muitas de nós, após redescobrir esse amor perdido, mesmo não sabendo se um dia voltaria a vê-lo, põe sua vida a espera dele. Mesmo contra tudo que tornaria esse amor impossível. Eu sei que uma pessoa que não tiver lido o livro pode ter uma visão errada da relação dos dois, afinal Jen era casada e isso com certeza não é uma boa coisa se for parar para pensar. Mas pense em uma menina que casou tão cedo e sem amor pelo marido, embora até gostasse dele, mas nunca de fato fora apaixonada. Pense em como ela era sozinha, o marido um empresário importante que mal lhe dava atenção, entre viagens e mais viagens. Imagine um relação nascendo fora de um casamento, naquela época. Por esses e outras detalhes que esse livro, e essa história de amor em volta dessas cartas secretas se torna tao interessante. 

"Não sou tão forte quanto você. Quando a conheci, achei que você fosse uma coisinha frágil, alguém que eu precisava proteger. Agora percebo que me enganei. Você é a forte de nós dois, a que é capaz de suportar conviver com a possibilidade de um amor como este, e com o fato de que ele jamais nos será permitido"

Então, mesmo que parecesse ter demorado séculos pra conseguir terminar essa leitura, o que fica é que ela sim valeu á pena. E não é um livro pra ser consumido em horas, mas em alguns dias, sem pressa, sem ansiedade. Redescobrindo esse amor perdido e reencontrado através das cartas entre Jen e Boot (apelido de Anthony). A reflexão que fica é a seguinte "Quanto tempo você estaria disposta a esperar pelo amor da sua vida?" Ainda estou tentando descobrir. Mas se tivesse metade do amor que esses dois tiveram, com toda certeza do mundo teria valido á pena, mesmo depois de quase 50 anos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Inspiraflor | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 | POR:
NOS VISITEVIRANDO AMOR